Poema - Profano

Sou órfão,
joguete das circunstâncias
em promiscuidade consensualmente violado.
Sou anômalo,
força fecunda atrofiada em carne
a marca da sífilis em necrose cármica.
Sou ódio criador,
matéria decomposta em ebulição,
rasguei o véu de chumbo que me atava ao mundano.
Sou amargurado e desvairado,
rasguei a seda da moral que me amarrava,
espalhei a SIDA do meu corpo profanado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog